Uso dos blocos lógicos na Educação Infantil

Faça uso desse instrumento simples que ajuda a desenvolver o pensamento matemático

Da Redação | Fotos: Divulgação | Adaptação web Caroline Svitras

Quem nunca teve dificuldade em resolver um problema de matemática? Para algumas pessoas é ainda pior, pois ouvir o nome dessa disciplina é quase que relembrar um pesadelo. Trabalhando com conceitos tão abstratos ela se torna um desafio para a mente humana. Porém, se bem explorada algumas questões importantes ainda na infância, tais dificuldades podem ser minimizadas.

Desde 1950, uma importante ferramenta chamada “Blocos lógicos” foi desenvolvida e se tornou muito eficiente para que os alunos exercitem a lógica e evoluam no raciocínio abstrato. É um material extraordinário para estimular, na criança, a análise, o raciocínio e o julgamento, partindo da ação para, então, desenvolver a linguagem.

Blocos lógicos, um conjunto de pequenas peças geométricas divididas em quadrados, retângulos, triângulos e círculos, por meio de cores, tamanhos e espessuras. Eles têm por finalidade auxiliar na aprendizagem de crianças da Educação Infantil. Podem ser confeccionados em madeira, E.V.A. ou cartolina com diferentes tamanhos, espessuras e cores.

Esse material permite que a criança desenvolva as primeiras noções de operações lógicas e suas relações como correspondência e classificação, imprescindíveis na formação de conceitos de matemática. Segundo Piaget, “a aprendizagem da matemática envolve o conhecimento físico e o lógico- matemático. No caso dos blocos, o conhecimento físico ocorre quando a criança pega, observa e identifica os atributos de cada peça. O lógico-matemático se dá quando ela usa esses atributos sem ter o material em mãos (raciocínio abstrato)”. Veja, então, uma das formas que a professora de sala de recurso, Andréia Aparecida Oliveira Biagioni, propôs de usar essa ferramenta:

Confira mais dicas na revista Guia Prático do Professor – Educação Infantil. Garanta a sua aqui!

Guia Prático do Professor – Educação Infantil Ed. 162

Adaptado do texto “Blocos lógicos”