O que pode um berçário?

Veja as diversas ações e atividades que você pode desenvolver com os pequeninos

Da Redação | Foto: Carlos Rincon | Adaptação web Caroline Svitras

 

Em muitas escolinhas o berçário é um local onde as crianças não são estimuladas como deveriam. Muitas acreditam que devem ter apenas brinquedinhos e o cantinho da soneca. Mas nessa fase que a evolução é diária, qualquer estímulo é importante, por isso, é preciso muito mais.

Um berçário pode:

  • Preparar o espaço para receber as crianças, com diferentes materiais e possibilidades de investigação e criação.
  • Cuidar dos momentos de cuidado individual de cada criança, tornando-o seguro, confortável com ajuda de almofadas, acolhedor com olhares e conversas.
  • Deixar as crianças experimentarem a comida com o corpo todo, comerem sozinhas se desejarem, não misturando os alimentos para que sintam os diferentes sabores, cheiros e texturas.
  • Fazer receitas de culinária com as crianças como pães, biscoitinhos, bolos, salada de frutas, descobrindo e experimentando os ingredientes, escrevendo a receita junto com o grupo, ajudando na preparação.
  • Ter diferentes instrumentos musicais como tambor, pandeiro, triângulos, manuseados livremente pelas crianças, embalando as músicas cantadas, sem nenhuma função específica, como uma linguagem, convidando aos movimentos, as danças.
  • Ter diversos CDs de música, ampliando o contato com diferentes estilos musicais como o forró, o samba, as marchinhas, as cantigas.
  • Ter um relacionamento de parceria com as famílias, compartilhando vivências e cuidados, acolhendo dúvidas e inseguranças, enviando textos nas agendas sobre alguns temas que o grupo esteja vivendo como mordidas, amamentação, criando grupos de conversas.
  • Ter muitos fantoches e livros ao alcance das crianças para que sejam manuseados, contados, lidos, sendo cenários de conversas e histórias.
  • Usar uma caixa com diferentes sucatas, como peneiras, funis, latas, panelas, tampas, potes, permitindo construções e descobertas.
  • Ter diferentes tipos de bolas, pequenas e grandes, redondas e compridas, cheias e murchas, de diferentes cores e texturas, ampliando descobertas.
  • Ter, para as crianças brincarem de acender e apagar, pisca-pisca no teto; papéis com diferentes texturas no chão – como: papel espelho, lixa, laminado, plástico bolha etc.
  • Resinificar os seus berços, transformando-os em um objeto de curiosidade e brincadeiras, pendurando com elástico muitas fitas, espumas, escovinhas, argolas, tampinhas, esponjas.
  • Construir uma corda sonora com guizos, pedaços de pano, molas penduradas.
  • Ter bambolês, macarrões de piscina, garrafas cortadas para fazer bolinha de sabão, panos, sapatos, teclados, telefones e roupas de brincar, muitas caixas de papelão de diferentes tamanhos, permitindo muitas brincadeiras.
  • Construir brinquedos com as crianças, como as garrafas mágicas de PET com diferentes elementos dentro como água colorida, miçangas, elásticos, colocando fotos das crianças nelas.
  • Fazer registros fotográficos clicando momentos, descobertas, vivências, interações do grupo, desafios, imprimindo e deixando disponíveis as crianças, favorecendo olhares, identificação, reconhecimento.
  • Utilizar todos os espaços da instituição, brincando no corredor e explorando a área externa com giz, bolas, sem nenhum elemento, observando o movimento da rua, dialogando com a vida fora da instituição.

Para conferir mais dicas garanta a sua revista Guia Prático do Professor – Educação Infantil clicando aqui.

Guia Prático do Professor – Educação Infantil Ed. 153