Família e escola pela Educação

É possível incentivar uma Educação lúdica e de valores éticos, por meio de versos, canções, comemoração de épocas e muito mais...

Da Redação | Fotos: Itaci Batista | Adaptação web Caroline Svitras

Recentemente, a psicoterapeuta Patrícia Gimael e a arte-educadora Selma de Aguiar uniram suas experiências e estudos para escrever um livro que tem como objetivo incentivar uma Educação lúdica e de valores éticos, por meio de versos, canções, comemoração de épocas e muito mais. A obra Infância Vivenciada descreve o desenvolvimento físico, psíquico e cognitivo seguindo cronologicamente até a adolescência. Além de apontar a importância do brincar livre, o livro oferece sugestões de atividades lúdicas, artísticas, trabalhos manuais e contos e histórias adequadas a cada faixa etária. Valoriza a comemoração da Páscoa, festa junina e Natal como oportunidades pedagógicas para desenvolver a memória, a noção de tempo e uma Educação ética. E estimula a alimentação infantil e natural como promoção do autocuidado e da capacidade de fazer escolhas conscientes.

 

Segundo Patrícia Gimael, a obra pode ajudar o professor de Educação Infantil estimulando a observação dos diversos aspectos do desenvolvimento infantil que auxiliarão a identificar características comuns à idade e diferenciá-las das particulares de cada criança. E também, oferecendo muitos exemplos de atividades que podem ser desenvolvidas de acordo com cada faixa etária.

 

Papel da escola

Família e escola têm papel fundamental ao propiciar uma infância feliz e vivenciada intensamente a todas as crianças. De acordo com Patrícia, a escola consegue isso reconhecendo o valor do brincar livre, não dirigido, como promotor do desenvolvimento. “O brincar sadio é livre e sem intencionalidade, motivado pelo desejo de conhecer e experimentar e é por meio dele que acontece no tempo o desenvolvimento físico motor, a socialização, o desenvolvimento cognitivo e o desenvolvimento psíquico”, afirma ela.

 

Para as autoras, a escola deve:
  • Estimular e manter esse interesse e curiosidade infantil que é genuína nas crianças porque é esse o impulso necessário para que o desejo de aprender permaneça vivo e possa pautar toda a vida escolar.
  • Proporcionar experimentação e espaços de descoberta, porque a criança aprende por meio da vivência. Só depois de experimentar na prática é possível, no futuro, conceituar ou teorizar.
  • Oferecer uma boa Educação Infantil que proporcione uma infância feliz e vivenciada intensamente deve garantir o espaço do lúdico e da arte na Educação. Música, pintura, desenho livre, contos de fadas, trabalhos manuais adequados à faixa etária, muito contato com a natureza e, sem dúvida, brincar livremente.

 

Revista Guia Prático do Professor – Educação Infantil Ed. 122, compre a sua clicando aqui!