Diferença de gêneros

A construção de bonecos ajuda a trabalhar a diferença entre meninos e meninas

Fotos: Fernando Pereira | Adaptação web Caroline Svitras

 

De acordo com Drielly Adrean Batista, psicopedagoga e mestranda em psicologia, o desenvolvimento infantil é um processo contínuo, ininterrupto e ativo, que envolve a interação entre a criança e o meio físico e social no qual está inserida. Para fins didáticos, podemos pensar o desenvolvimento humano em quatro grandes dimensões: física-motora, afetiva, cognitiva e sociomoral.

 

Buscando esse desenvolvimento integral da criança, a escola tem um papel essencial com o objetivo de trabalhar diversas competências, mesmo que por meio do brincar, como pressupõe a Educação Infantil. Entre esses aprendizados, nessa fase, compreender a diferença de gêneros e se identificar no mundo é de extrema importância. Veja a proposta de Drielly sobre como trabalhar com esse tema.

 

Introdução e sensibilização

Leve em consideração que, antes do início das atividades, é preciso dramatizar o conteúdo de forma com que o aluno se interaja e comece a problematizar diante do objetivo da proposta da atividade.

 

Reflexão

Segundo Luiz Fernando Alves Lima, em “A Construção da Identidade de Gênero na Educação Infantil: Princípios de Igualdade Reconhecidos nas Diferenças”, a construção da identidade e de gênero é vivida pelas crianças da Educação Infantil por meio das brincadeiras, das palavras, dos gestos, das atividades reconhecidas como masculina e feminina. Nesse sentido, as crianças internalizam e reproduzem as relações estabelecidas por homens e mulheres, sendo que algumas são caracterizadas pela reprodução de estereótipos socialmente atribuídos aos gêneros. Mesmo que a criança já tenha construído o núcleo de sua identidade de gênero até os 3 anos de idade, essa construção é um processo que se desenvolve  por toda a vida.

 

“Portanto, é necessário o empenho do professor e da professora na Educação Infantil para a desconstrução da lógica desses limites de tratamento dado pela legislação, planos e programas nos âmbitos federal, estadual e municipal, ao se tratar das relações de gênero no sentido contemplativo das políticas públicas de Educação. Questionar a presença de estereótipos de gênero e refletir sobre o modo velado, ambíguo e, às vezes, reducionista que os significados de gênero vêm assumindo nos textos dos documentos oficiais observados”, comenta ele.

 

 

Revista Guia Prático do Professor – Educação Infantil Ed. 135