Cozinha Experimental

Incentive a descoberta de novos sabores e receitas na escola

Cozinha experimental

Segundo a coordenadora pedagógica do Colégio Franciscano Nossa Senhora do Carmo (Franscarmo), Ros Marie Martiniak Closs, a cozinha experimental visa o desenvolvimento das habilidades culinárias e a consciência nutricional de nossos alunos, por meio da experimentação prática com a realização de receitas nutritivas e condizente à faixa etária da turma.

“Muitas dessas receitas são sugeridas pelo próprio material didático, outras relacionadas às datas comemorativas e ao projeto da Lancheira Saudável”, explica. Ros Marie afirma que esse tipo de atividade gera a oportunidade de certas habilidades serem trabalhadas e desenvolvidas, como noção de tempo, medida, lateralidade, aprimoramento da sensibilidade olfativa, tátil e do paladar, no trabalho em grupo (equipe). No Colégio Franscarmo, essa atividade é desenvolvida no espaço de lanche da Educação Infantil com uma aula quinzenal.

Além disso, a cozinha experimental é um complemento às diversas disciplinas trabalhadas durante o ano, ou seja, ela não é um fim em si mesma. O professor consegue trabalhar a linguagem oral e escrita, natureza e sociedade, assim como a matemática. “As aulas de Cozinha Experimental sempre estão relacionadas aos conteúdos desenvolvidos na turma. Busca-se nessas atividades relacionar todos os conteúdos desenvolvidos nas aulas”, esclarece Ros Marie.

Veja a atividade desenvolvida pelas professoras Dora Maria Sabino Gonçalves Ferreira e Luciana Inácio Moitas com as crianças do Infantil do Colégio Franscarmo para trabalhar a distinção do paladar entre doce e salgado: Divida as aulas em duas partes. Primeiro, trabalhe a receita salgada e, depois, trabalhe a doce.

Primeiro momento

Quando é proposta a atividade da Cozinha Experimental, como no caso do merengue de morango, a ideia parte da preposição de quais são as frutas do inverno. Os alunos trazem suas vivências, pesquisam em revistas figuras dessas frutas e fala da importância nutricional delas.

Tudo isso para motivar a questão de que as frutas podem ser consumidas de formas variadas. Também é realizada uma pesquisa com as famílias sobre receitas que têm, em sua composição, frutas. Com isso, trabalha-se o texto de receita, forma do texto, tipo de letra, medidas, modo de fazer.

Depois dessa parte introdutória a professora apresenta a receita do merengue, trabalha todos os aspectos do texto, depois, os aspectos nutricionais e propõe a alteração de alguns ingredientes de forma a deixar a receita menos calórica.

Segundo momento

Parte prática:

1. Leia com os alunos a receita original do merengue.

2. Analise os aspectos nutricionais e faça as alterações de alguns ingredientes com os alunos, tornando a receita menos calórica e nutritiva. No Colégio Franscarmo, o chantili foi substituído por creme de leite light e usaram menos quantidade de suspiro e aumentaram a quantidade de morangos.

3. Faça a receita, com a ajuda dos alunos, mostrando todas as formas de preparo e higiene. Depois comam juntos.

Terceiro momento

Da mesma forma que foi desenvolvido um trabalho anterior à prática do merengue de morango, trabalhe questões que envolvam a montagem de um sanduíche, os ingredientes, como prepará-los de forma higiênica, seus aspectos nutricionais etc. No caso do colégio, foi feito um sanduíche surpresa.

Quarto momento

Salgado

Parte prática:

1. Com os alunos, monte um sanduíche com os ingredientes disponíveis, levando em consideração alimentos saudáveis.

Adaptado de Revista Guia Prático do Professor – Educação Infantil Ed. 162

Da Redação | Fotos Itaci Batista | Adaptação web Isis Fonseca

cozinha-experimental

Cozinha experimental